terça-feira, 28 de julho de 2009

mOOn.


©2007-2009 ~ealhan


Posso ver teias de aranha nos espaços dos teus dedos. Mãos que nunca mais toquei. Criam raízes da tua falta não esquecida. Na ausência de oxigenação destas noites frias de um sonho de inverno.

[ E a lua também reclama do dia seguinte...]

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Nos classificados...

Estou à procura
de um lar.
Assim, em ti.
Um lote:
Com vista para o teu olhar.



©2007-2009 =Pinkmango77

terça-feira, 21 de julho de 2009

Autismo.


Sintam-se livres para bisbilhotar:
O meu mundo.
Só meu.
Nele não há mentiras, confusões, nem traições.
Só animais e carrinhos.
De todas as cores, espécies e modelos.
E meu mundo é mais bonito.
Não é que te odeie, ou não te note, mamãe.
Eu, simplesmente, não consigo sentir.
Mas no fundo,no fundo, eu sei.


Inspirada no consultório de neuropediatria.

Ou [não] dá ou desce!

©2009 ~raetselleben

Ela até gostaria de ter dado [ 1,2,3,4,5,6], mas desceu.
Se ele ao menos soubesse ficar com a boca fechada.


Efeito borboleta morfo-azul


©2009 =neslihans



Epidemia por Influenza A, dejetos dos ingleses nos portos , quedas e mais quedas de aviões, Lula amigo de infância do Sarney, Botafogo perto do rebaixamento no campeonato brasileiro.

...Mais uma dose
, por favor!

terça-feira, 7 de julho de 2009

P.S : Olha a vida.


Para evitar a fadiga.





Fadiga
Enorme fadiga.
Enfado.
Trim, trim, trim
Ouço o telefone tocar.
Para o gosto, desgosto perturbar.
Estimo mais Bach
E o
sexo.



Coelinha.


©2008-2009 =BobRock99



Trocou a boneca. O lar. Pelas esquinas.
Prostitui-se. Cheirou. Assaltou.
Por uns trocados.
De olhos perdidos, de pêlos sujinhos...
Sem o amanhã.
O primeiro foi seu pai, o segundo seu irmão, o terceiro : Um pedófilo qualquer, executivo, patriota e um inglês.
Deitou-se mais uma vez.
Na esperança de achar que aquilo tudo fosse um pesadelo.


- Sonhou com a mãe, mais uma vez. Da época que ela a chamava de "minha coelhinha"-

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Ordem e regresso.

by =dramod by =dramod


Os meus dedos, a minha boca, meus poros, meu sexo frágil, todas as minhas faculdades de percepção, tudo aquilo que sou...Clamam por ti.
Desejo-te.