quarta-feira, 12 de maio de 2010

Ventura



Saudades do que não estava guardado aqui. O princípio que estende-se, esse crepúsculo emaranhado. Sinto falta dos indícios da tua pele, sorriso pintado a mão, olhar confuso, teus braços cedidos ao meu corpo, o precipício do teu beijo. Abre uma ferida em mim essas janelas, a tua voz fundida à tua música, ligada ao descuido do prazer.Pesa em mim teus sinais espalhados, o vestígio do teu suor, o defeito irrevogável do dia em que se aproximou – pesar de sentido contrário, na contra mão, satisfação expressa, desfrute em segredo, ventura principiante e desordenada, mas que me faz parte, a cada dia a mais.

6 comentários:

Filipe disse...

vc é foda, na moral!

Camila Mancio. disse...

gostei.

FILhote disse...

quanto desejo...
ben fogosinha hein...
bjaun

O Profeta disse...

Hoje ofereci as cores da minha paleta
A uma amiga na sua dor
Ouvi seu choro ao meu ouvido
No fatalismo do desamor

Hoje o sono acordou-me
A nostalgia agitou suas asas cinzentas
Esqueci no acordar o ultimo abraço
E contei as nuvens que eram tantas


Doce beijo

Sgil disse...

Sao palavras muito poeticas para minha mente pouco emocional `hahaha

Joe disse...

"fogosinha" !