quinta-feira, 31 de julho de 2008

A ciência do amor

E na linha diretiva da pesquisa uma promessa
E na sala uma nova invenção
Ela resiste, escorrega
Com o estômago mareado, músculos apertados
E agora com um ventre ocupado
Recupera a posição e compreende


(Sai da sala )
Chora, pega um papel
E dessa vez já sorri
Nasce uma mulher
Ou parte dela
Ainda faltavam 40 semanas
Toda cautela parece insuficiente
Carece de roupas novas
Não tinha sabedoria suficiente
Para entender que precisaria
Nos meses seguintes de um disfarce
Necessário para sonegar toda a amargura


Noite do escambo
Mercadorias : Ela ou a profusão?
Ela desejaria não ter ouvido essa resposta
E o céu muda de cor
E as aspirações perdem o espírito
Ela chora e grita
Ouvindo o som dos próprios caprichos
Essa menina não pensa nele!
Ainda não chegou o momento



O inimigo subtrai indícios de genes
E satisfeito recebe a notícia:
Você é o suposto “super-herói”
Seus olhos passam a ter a cor do ódio
Mas ela sorri
E quando percebe que o riso não era de alegria
Resolve chorar novamente
Todo o dia a mesma coisa
Até que certa vez...


Ele aparece
Era ele esse tempo todo...
O menino que chorou sem saber a razão
O soberano da casa
Bochechas rosadas, pele clara , macia
Seus olhos?
Azuis, serenos...


O Pequeno Príncipe Poderoso
Que levou a mãe pra morar na Lua
Esse tem o encanto, a magia, o amor
Certas horas quase um felino
É notável


Ele ri, ele chora, ele brinca
Ele beija, ele canta, dança
Pinta, abraça...
É um homem
É forte, é puro
É ingênuo, um anjo
É de verdade, é carinhoso
Ele é genial

Trocou de lugar com ela e deu a luz
E redescobre a vida
Para muitos : Um cientista
Para ela : Seu único filho
Que provou a ela
O que é um verdadeiro amor






6 comentários:

Kalye disse...

O Sol da sua vida é você mesma.
Sempre será.
Ele é mais um sol.
Não tenha medo de brilhar.

beijos

radik disse...

Ju, tuas palavras s�o t�o cheias de sentimento.. cada uma delas..
Elas n�o vem do acaso.
Elas n�o s�o escritas, s�o desenhadas.
Elas v�m recheadas do teu sabor.

Ler o que voc� escreve, � como te ouvir falar quando eu n�o preciso dizer nada. O sorriso sempre me entrega.

Eu que tenho orgulho de voc�!
Al�m do sentimento, voc� tem o dom de escrever muito bem. Adoro ler sempre que postas algo.
E n�o to sendo puxa saco! rs

Beijos!

Cristal disse...

Ju,
Faço minhas as palavras do Radik. E eu sei o que é esse sentimento de mãe. Tenho dois príncipes. Passei minha juventude com todos os meus objetivos voltados para a felicidade deles, mas hoje, olho pra trás e penso: afinal, só deixei de ir a algumas festas, namorar alguns caras, e outras coisas que uma jovem faz quando ainda não tem o compromisso de "ser mãe", porém, agora os dois estão na adolescência e eu ainda estou no pique para acompanhar essa idade que, ao contrário do que parece, eles precisam ainda mais da gente por perto. Nós gostamos das mesmas músicas, dos mesmos programas, rimos, brigamos para usar o PC, eles invocam com as minhas roupas curtas... mas é uma relação muito gostosa.
Curta muito o seu príncipe e escreve sempre, estamos adorando compartilhar desse teu talento...
Beijos Amiga...

Anônimo disse...

Bota essa porra prá funcionar!!

Anônimo disse...

Putz.

Caraio...
rs

É,achei o significado da palavra amor q tanto busquei e busco ainda.
Mesmo sabendo q n vou encontrar...(a medicina ainda n evoluiu pra tanto...rs)Mas consigo sentir a sua felicidade.

A frase "O amor vem de dentro pra fora" faz todo o sentido agora.

Beijo grande,e continue a amar cada vez mais essse felino lindim.
Bruno

O Marcos disse...

Sonegar amarguras ou traficar armas como Rimbaud. "È o Mar / Misturado ao Sol." "Dos anseios vãos." Ainda não chegou o momento.Da cor dos olhos da menina que chorou. E seguinte e suficiente como cores. De dia, de pássaros, de sons e de paciência. Calma. Deve nos encontrar. Os rostos carcomidos e as revistas mofadas.