terça-feira, 9 de março de 2010

Pé esquerdo


Eu, que não aprendi a esconder o que sinto, ficarei socializando a minha dor, apresentando a cada amigo, tendo relações com ela. Não dá para fingir que ela não está presente. E se assim fizer, ela muda as estações, coloca tua cama de cabeça para baixo e planta espinhos nos edredons. Tem que caminhar ao lado dela, como uma criança preferida, tem que colocá-la para dormir, tem que alimentá-la, amamentá-la. Aos poucos, tem que amá-la tal qual um lírio semeado nos cortes da pele, no âmago, no falso coração. Tem que traduzi-la particular da fragilidade e prantos, passar a mão na cabeça e, finalmente, pisoteá-la.

6 comentários:

Lua disse...

é preciso pisotea-la mesmo, boa sorte e forças!

Luiza disse...

ah...tá tão bom, tão gostoso de ler que só gostei quando acabou porque ela merece ser pisoteada!
beijos

Kalie C. disse...

Ou simplesmente, ignorá-la... eu sou mais eu. UI!!!!

rsss

smacks!!

Jéssica V. Amâncio disse...

haha esse final não esperava. Bem legal!também não sei esconder o que sinto, espero ter força para pisotear minha dor.

mente inconstante disse...

Gostei dos sapatinhos no layout e me identifiquei com o texto total... :)

Joe disse...

..