quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A lei natural.

©2006-2009 ~edosh

Assim que tornei-me mulher.
Virei ré.
Cometi um delito.
Passei a ser conivente com os amantes que tive.
Não sou de formar conceitos, e não gosto que façam o mesmo comigo.
Pelo menos aqueles "pré"
Pronuncio a sentença:
Não tenho culpa!
Sou restrita aos maus caráter e a paixão. Desde 1983.

6 comentários:

apenas sinto... disse...

Amei o texto..

=*

Kalye Duranki disse...

ui q perigosa ela..rss
nem eh..

e eu tb odeio esses `preh`s.
(n tem acento aqui)

e o livro hein madame? hun? hun?

hunf!

beijos!

Gabriela M. disse...

que maravilhoso, Juliana!
devia ter nome de mulher esse título. :)
bj bj ;**

radik disse...

Eu gostei tbm.
Literatura imponente. E glamuroso como a pena.
Lhe trago o tinteiro. E alguns biscoitos.
E sento ao teu lado para escrever da minha vida também.
Viraria a noite sob um candieiro e alguns de nossos papéis. Escritos.

Parabéns. Esse é dos melhores daqui.
Um beijo.

Marie disse...

Nossa perfeito. Vou te linkar...
beijos

Jéssica V. Amâncio disse...

muito bom.