segunda-feira, 28 de setembro de 2009

3ª Sinfonia de Maria

Mais uma noite de Maria. Talvez a sua terceira. Lábios vermelhos, assim como as unhas recém pintadas às pressas, sombra preta, cabelos escuros, calada feito à noite daqueles dias de chuva e ventania. Ainda uma menina, trocando o corpo de mulher por notas coloridas para não ter que ouvir a sua mãe apanhar do pai alcoólatra. Trocava de esquinas e de personagens. Gostava de zeros, principalmente os que vinham da direita rumo ao horizonte. Isso soube puxar seu pai. Uma pena ele ter perdido tudo jogando no bicho, no boteco e com as prostitutas da vila. E dos homens de mala e gravata. Ela tirava a roupa , fazia o serviço, olhava para cara e dava o preço. Fora aquele olhar. Morriam de medo dela, mas não podiam dar queixa na delegacia tamanha era o receio da desonra.








©2007-2009 ~banana-slip

10 comentários:

apenas sinto... disse...

Diga-se passagem, quase platônico.

Texto mto bonito..

boa noite.

Anônimo disse...

A-DO-REI isso...Muito bom!bjsss Lima July

radik disse...

The Mary´s dollar.
E alguns trocados para encerar o surrado violino daquela sinfonia. O mesmo das outras. As anteriores e todas as próximas.

Escreves, resumidamente, muitíssimo bem, à valor de meu elogio e de tua literatura, que em poucas linhas abastece os maiores livros.

Anônimo disse...

Como faço pra contratar os serviços de Maria??



joe

Juliana Porto disse...

Obrigada, queridos.

O número da Maria te passo por sms.
=P

Abraão Vitoriano disse...

Juliana,
você é digna do que faz...
tem cores na sua poesia, adoro isso!

beijos,

Tatiane Trajano disse...

Maria, por dinheiro seu corpo vendia!

Gostei muito do texto, aliás, eu gosto de como você escreve e descreve as situações.

Beijão!

Iara Rabelo disse...

Cada esquina, cada noite
maria, sempre estava la
com um novo rosto
e mais notas

quantas cores
liindoo

Marcelo Novaes disse...

Juliana,






Melhor seria, essa Maria, assobiar notas coloridas, e se embevecer em bolha-de-música, sofrida. Talvez pudesse, num bar, cantar sua vida...







Beijos,










Marcelo.

Jéssica V. Amâncio disse...

forte com um tom de ironia, e ao mesmo tempo singelo. como consegue? haha.. ótimo.