quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Lei da relatividade

by ~makesnosensegirl
Ela tinha visto que lhe faltava espaço.
E como se já não bastasse, aquelas coroas de flores em volta.
Tão fora de moda.
Logo ela, que vivia sobre todas as novidades.
Seguia todas as novas tendências.
Foi daí que fecharam aquele caixote apertado e até nunca mais.
Desejou não ter saído de casa, dirigido o carro tão bêbada naquela noite.

12 comentários:

Iara Rabelo disse...

Aqui jaz uma vontade imatura e incente...
Lindoo *--*

Tatiane Trajano disse...

Aqui jaz, um pedaço de mim!

apenas sinto... disse...

Hoje, desejo mta coisa.

Carpe Diem sempre.

Anônimo disse...

Nem sei pra que as pessoas bebem!!


joe

radik disse...

Um morre de sede e a outra de tanto beber... mundo antagônico esse, meu jazz-uscristo!

Mas os textos tão bons. Cê dá uma boa 'historeira', moça. Tem criatividade e personalidade!

Aqui jaz um beijo pra ti

O Profeta disse...

O amor cobre e descobre o seu rosto feliz
Um beijo anda solto de um sopro puro
Dois amantes dividem uma maré de espanto
O desamor ergue na vida um frio muro

Uma estrela do mar percorre o azul
Uma estrela no céu anuncia a claridade
Uma longa espera arrocha o peito
Um suspiro solta a incontida saudade

Ofereço-te uma estrela do mar


Mágico Beijo

Cristal disse...

Ju,
Essa tua mensagem daria um ótimo comercial: poucas palavras e muita coisa dita.
Eu já não sou uma motorista excelente quando estou sã, imagina bêbada. Aliás, acho que esse é o maior problemas de quem bebe, acredita que se transformou num super-herói, tudo pode e nada lhe acontece. São donos de uma "coragem" que levam a consequências nada saudáveis.
Beijos...

Keoma Roberta disse...

Como dizem " pau que nasce torto, morre torto", essa daí é fútil até na morte... Belo blog !

Gabriela M. disse...

que maravilha, uma defunta totalmente conciente, e agora arrependida.

pena não pôde dizer que achara brega a coroa, hem?

--

cada vez gostando mais dos seus escritos*

* Santiago * disse...

Credo. Eu de biquini, no msn sem sol, tendo q ler confissões arrependidas de uma defunta.

Eu, hein?

Inês disse...

Ah. Intenso e lúdico.

Jéssica V. Amâncio disse...

agora vejo sua obsessão por assassinar as personagens... rs