quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Minha cara, meu verso.



Alinhei as regras. A lápis. Como uma música. Só pela satisfação de destruí-las. Depois. Sincera, eu fui. Só pra poder enganar. Assinei-me. Só pela graça de me sentir nova. Diferente. Outra. Apontei o amor, para sentir melhor as letras. Resoluta. Sou a minha própria ação reflexa. Do avesso. Declaro a minha outra forma. Viro a minha face. O verso seguinte. Fisionomia ignorada. Cara ou coroa? O outro lado da moeda.




3 comentários:

Kalye Duranki-Amon disse...

mas q foto louca! maneira!

legal ver vc escrevendo, Ju!!!
xD

:*****

Kalye Duranki-Amon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
radik disse...

Tá demais!
Tuas palavras, ornamentadas de emoção e força.
Este jeito de escrever, breve, pontuado, traz a emoção pra encontro da minha garganta, enquanto leio.
Tá escrevendo muito, Ju!
Qualidade pura!